APG - Associação Portuguesa de Gagos

8º ENCONTRO / CONVIVIO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GAGOS

No âmbito das suas campanhas de sensibilização e informação da população para o problema

da gaguez, a APG irá organizar no dia 17 de Junho, no PARQUE DE MERENDAS (COVA-GALA) – FIGUEIRA DA FOZ, pelas 13 horas, o já tradicional encontro/ convívio .

Esperamos juntar cerca de 200 pessoas que sofrem desta perturbação, bem como familiares e Técnicos Terapeutas da Fala.

O encontro incluirá almoço (porco no espeto com arroz de feijão, sobremesa e bebidas) e partilha de vivência e de experiências entre pessoas que gaguejam e Terapeutas da Fala. Terá um custo único de 10 Euros.

Infelizmente em Portugal são poucos os organismos, os espaços e as oportunidades de ajuda aos gagos ajudar a ultrapassar o problema, a ter uma vida social tão activa como das outras pessoas e a ter um auto - estima um pouco mais elevada.

Este encontro/convívio será mais uma oportunidade para os Gagos, os familiares e os Técnicos se encontrarem e darem mis um contributo para ultrapassar este problema que afecta 1% dos portugueses.

Junte-se a nós.

Inscreva-se até dia 13 de Junho pelo mail da Associação O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . ou junto dos seguintes membros da APG: Presidente de Direcção – Cesário Neves – 96 389 68 01, Luís Rocha 91 73 09 115, José Carlos - 966644244, Leonel Mendes 96 90 44 550 ou ainda o Terapeuta Brito Largo – 91 87 777 06.

Pela Direcção

Cesário Neves

APG integra a Liga Europeia de Associações de Gagos (ELSA)

A Associação Portuguesa da Gagos (APG) é agora membro efectivo da Liga Europeia de Associações de Gagos (ELSA). Esta acção faz parte de uma estratégia mais vasta de consolidação da nossa associação. Através da ELSA a APG poderá entrar num diálogo profícuo com as nossas congéneres europeias, e trocar assim informações e experiências que em muito irão beneficiar não só a nossa associação, mas esperamos, a vida das pessoas que gaguejam em português.

Consultar: European League of Stuttering Associations

Gaguez é fonte de sofrimento

Dr. Pedro Aires

O terapeuta da fala Pedro Aires de Sousa afirma que o principal objectivo na intervenção da gaguez passa pela diminuição do sofrimento da pessoa

«O principal objectivo na gaguez, enquanto terapeuta, é a diminuição do sofrimento. O sofrimento do gago é uma coisa que a maior parte das pessoas não imagina».

A afirmação é de Pedro Aires de Sousa, terapeuta da fala do Hospital Pulido Valente e que se encontra na Região a realizar uma formação sobre "Abordagem Terapêutica da Gaguez", promovida pela Secretaria dos Assuntos Sociais.

Segundo explicou ao DIÁRIO, a maior parte dos gagos sofre porque além de ser estigmatizada socialmente, tem dificuldades por vezes inimagináveis para viver o dia-a-dia, já que, «a fala é um aspecto extremamente visível» de cada um de nós.

Definida como uma perturbação em termos de comunicação, ainda não foi descoberto aquilo que causa a gaguez, embora, segundo referiu Pedro Aires de Sousa, é certo que haverá uma razão, embora ainda ninguém a tenha descoberto. «A situação em que estamos é que, independentemente de saber a real causa da gaguez, temos um problema e é necessário de fazer alguma coisa para lidar com isso».

Explicando que existem muitas formas de intervenção, este terapeuta afirma que aquela que adoptou procura aplicar uma série de técnicas que ensinam a lidar com o problema. Ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, estas técnicas em nada têm a ver com respiração ou colocação de voz. «Na minha perspectiva, isso não tem nada a ver coma gaguez, já que isto é um tique que se instala na maneira de falar da pessoa», explica.

Relativamente à intervenção terapêutica em si, Pedro Aires de Sousa refere que existem medidas diferentes para tratar a criança e sobretudo em termos de medidas de prevenção. «Enquanto a criança não tem consciência de que alguma coisa de errado ou diferente se passa com a sua fala, os adultos à sua volta não devem fazer qualquer referência à gaguez. Eles devem ignorar activamente, porque quanto mais tarde a criança tomar consciência do problema, mais fácil será lidar com o assunto.»

Em relação ao adulto, o trabalho do terapeuta não deve estar virado para a cura, mas sim em termos de indicações que podem colmatar alguns dos problemas. Com a pessoa a se sentir mais segura, vai diminuir a situação de ansiedade e o próprio estado de sofrimento em que a pessoa incorre e tendencialmente, irá gaguejar menos.

COLÓQUIO: "GAGUEZ, UM DESAFIO À COMUNICAÇÃO"

Comemorações do Dia Europeu da Terapia da Fala, 6 de Março de 2012 - Communication Is More Than Fluency

Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal

 

dutf

GAGUEZ

gaguez1

A gaguez pode manifestar-se através de sons e sílabas que não são finalizados e iniciados no tempo adequado, portanto a gaguez está ligada ao ritmo e ao tempo. É involuntária, ou seja, a criança não tem controlo total sobre sua fala, não sendo possível simplesmente optar por não gaguejar.

Os sinais abaixo são típicos da gaguez:

1)- Repetição na quantidade e na qualidade, repetição de sílabas, palavras e até mesmo frases.
Ex.º: "sa-sa-sapato", "te-te-telefone", "cama, cama…."

2)- Pausas. Intervalo colocado de forma inapropriada no decorrer de um discurso.

3)- Prolongamentos. Alongamentos de sons que tenha duração inapropriada.
Ex.º: "f::amília", "t::apete".

4)- Interjeições. Inserção no discurso de sons, como "ahhhh…..", "hummmm….", "deixa ver".

5)- Bloqueio. Interrupção brusca de uma palavra que vem acompanhada de algum esforço da voz, ou até mesmo corporal.

Na tentativa de contornar este problema, a criança pode recorrer a diversos truques:

• Substituições de palavras, reformulações de frases e circunlocuções (rodeios);
• Uso excessivo de marcadores discursivos ("então", "assim" e "ok");
• Modificações da respiração (fazer inspirações profundas antes de falar ou falar até o fim do ar);
• Modificações do tom de voz..

Mas afinal, a gaguez tem cura ou não?

Os resultados dependem, sem dúvida, da idade da criança ou da gravidade da gaguez. É claro, que quanto mais cedo se inicia o tratamento, mais eficaz será. Apesar de a gaguez ser um distúrbio de fluência, as consequências da gaguez reflectem-se para além da fala. A relação com os familiares, o convívio social, o desempenho escolar, o desempenho profissional e a saúde emocional podem ficar muito comprometidos devido à gaguez. Por isso, a gaguez é um problema sério que deve ser tratada por profissionais especializados (terapeutas da fala e psicólogos).

Se o seu filho gagueja há algum tempo e já se apercebeu, que ele sabe que gagueja, procure falar sobre o assunto com ele.

Por mais difícil que seja ouvir seu filho gaguejar, procure não lhe fornecer dicas e truques, como por exemplo: "fala mais devagar", "calma…", "pensa antes de falar, "respira fundo", "pára e começa de novo", "pára de gaguejar". A gaguez é involuntária. Portanto, a criança não tem controlo total sobre a sua fala. A criança não gagueja porque quer ou para chamar a atenção.

Procure não apressar a criança para falar, porque, desta forma, o seu filho começará a aprender o que se convencionou chamar de "pressão de tempo". A "pressão de tempo" é uma sensação subjectiva de que se deve iniciar, continuar e terminar a fala rapidamente. Quanto mais rapidamente o seu filho achar que deve falar, mais irá gaguejar.

Dê atenção quando seu filho demonstra que quer falar alguma coisa. Ouça o que ele tem para dizer e comente o que ele falou (e não como falou). Mostrando que ele consegue captar sua atenção, que você ouve o que ele diz,que você se interessa pelas suas opiniões, o seu filho vai aprender a ser assertivo. É muito importante mostrar ao seu filho que ele consegue transmitir o que quer através da fala.

Procure não interromper e não finalizar as frases da criança, por mais difícil que seja ouvi-lo gaguejar. Interromper ou finalizar as frases vai transmitir à criança, que a sua forma de falar não é aceite dentro da família, o que vai contribuir para aumentar o seu sofrimento. Além disso, a criança vai aprender que deve falar sem gaguejar se quiser ser ouvido, o que vai fazer com que ele tente controlar a fala, ele não vai conseguir, o que contribuirá para o aumento do seu sofrimento.

Não existem fórmulas mágicas no tratamento da gaguez. O tratamento envolve aceitação do problema, dedicação, tempo e persistência, não pode ser eliminada de um dia para o outro.

Sobre a APG

A Associação Portuguesa de Gagos foi fundada em Agosto de 2005.

É uma associação de âmbito nacional com sede na freguesia de Alqueidão no  concelho da Figueira da Foz.

É desde 2011 membro da European League of Stuttering Associations.

Contactos

Associação Portuguesa de Gagos

adress Rua Principal, 78 Negrote, Alqueidão 3090-834 Figueira da Foz Portugal

phone 925 517 093

email gaguez@sapo.pt

Redes Sociais

facebook

Dia Internacional de Consciencialização para a Gaguez

laco    22 de Outubro